Boi Caprichoso festeja natal com 1º Rufar do Tambor e inicia temporada 2018
25/12/2017 - 18h19 em Boi Caprichoso

Evento foi marcado por entrega de prêmio artístico aos melhores do Festival 2017

 

Às vésperas do Natal, o 1º Rufar do Tambor do Boi-Bumbá Caprichoso entrou para a história como largada oficial ao Festival Folclórico de Parintins 2018. O espetáculo começou com a chegada dos ritmistas da Marujada de Guerra na Praça dos Bois, lado azul, vinda do Bumbódromo, para anunciar a temporada vindoura em busca do título do bicampeonato do Touro Negro. Mas antes disso, a diretoria entregou o Prêmio Marupiara aos melhores desempenhos de itens no festival de Parintins 2017.

De acordo com a soma das notas dos jurados do Festival Folclórico de Parintins, o melhor item masculino foi Boi-Bumbá Evolução, com o estreante tripa Alexandre Azevedo, único a alcançar pontuação máxima nas três noites. No âmbito de item feminino, o troféu ficou com a Rainha do Folclore, Brena Dianná, consagrada com a vitória na arena em 2017, que em tom de agradecimento e despedida, anunciou a última disputa como item oficial do Boi Caprichoso para o festival 2018.

No quesito de estrutura artística, a alegoria confeccionada pelo artista plástico Júnior de Souza e equipe conquistou o troféu de melhor ritual indígena, com nota máxima dos jurados. A melhor alegoria de Figura Típica Regional foi “O Calafate”, do artista Nei Meireles e equipe.

No item lenda amazônica, houve empate entre as alegorias “Templos de Ouro”, do artista Márcio Gonçalves, e “Tesouros da Cabanagem”, dos artistas Ferdinando Carivardo e Nonoca Costa. Na avaliação dos jurados, o compositor Adriano Aguiar levou a melhor no item toada, letra e música, com “Viva Parintins”. No âmbito coletivo, teve novamente empate em melhor coreografia entre “Upuracê Tribal O Cativo”, de Neto Beltrão, e “Pajelança”, de Erick Beltrão.

No gênero de itens diversos, tuxaua conquistou nota máxima dos jurados no festival 2017 e ficou com a estatueta. O coordenador da torcida organizada Raça Azul, Neto Malta, recebeu o troféu da galera heptacampeã do festival, com pontuação máxima. A cerimônia de entrega do Prêmio Marupiara aos vencedores foi coordenada pelo presidente do Caprichoso, Babá Tupinambá, o vice presidente Jender Lobato e o coordenador do Conselho de Arte, Ericky Nakanome.

Durante o show do 1º Rufar do Tambor, o Apresentador, Edmundo Oran, comandou a festa, com a aparição do Caprichoso em uma alegoria de um barco. O Amo do Boi campeão, Prince do Caprichoso, dividiu o palco com o apresentador para tirar versos e cantar toadas da tradição folclórico do bumbá. Um módulo alegórico conduziu a Sinhazinha da Fazenda, Valentina Cid, até o palco para evolução com o Caprichoso. A Porta-Estandarte, Marcela Marialva, também chegou em um módulo alegórico.

A Rainha do Folclore, Brena Dianná, fez o público vibrar no momento da aparição e evolução, marcado por muita dança. A Cunhã-Poranga, Marciele Albuquerque, incorporou o espírito de uma índia guerreira para evoluir de forma aguerrida. Um módulo alegórico conduziu ao palco o Pajé, Neto Simões, para dançar com as tribos do Caprichoso. Nos intervalos das evoluções dos itens, Edmundo Oran apresentou as novas toadas com as coreografias de palco.

Ao final do show, o presidente do Caprichoso, Babá Tupinambá, afirmou que 1º Rufar do Tambor marca a arrancada do bumbá rumo ao título de bicampeão do Festival Folclórico de Parintins 2018 e já entra para o calendário de eventos do município, na época do Natal. “Com isso, damos um passo adiante para o título de 2018, mas aquecemos a economia de Parintins, como mais uma opção à população e aos turistas que passam férias aqui nesse período do ano”, frisou.

COMENTÁRIOS